Início Mercado A carta aberta sobre a ‘troca’ de Rúben Dias por Otamendi que...

A carta aberta sobre a ‘troca’ de Rúben Dias por Otamendi que está a ser um sucesso

3662
0

A Página de Facebook ‘O Benfiquista crítico’ fez um texto sobre a saída de Rúben e a entrada de Otamendi, de forma muito… crítica.

Fica aqui a carta na íntegra.

Dez notas sobre a saída de Rúben Dias

1. Os números que se falam são bonzitos. 53M de euros por um central que, com apenas 23 anos, já é patrão da defesa do Benfica e de uma muito bem sucedida seleção portuguesa? São valores bons, mas no mercado atual, sabe a pouco. Estamos numa situação de pandemia? Pois estamos, mas ao mesmo, se estamos tão bem de contas como se apregoa, deixar sair jogadores sem puxar valores, ainda para mais para um clube com dinheiro “infinito”, é só mesmo porque se quer.

2. Com que então, dizia Vieira que Rúben Dias tinha “todas as condições para ser o futuro capitão do Benfica”. De facto, cumpriu a promessa, só não disse por quantos jogos é que ele o seria. Outra frase de Vieira que envelheceu bem é que os miúdos do Seixal só saíam pelas cláusulas. Dizia Vieira em 2019 que «não temos nenhum objetivo de vender os nossos principais jogadores do Seixal, (…) só pelos valores das cláusulas de venda». Yeah, right.

3. Já agora, e já que mencionei a seleção portuguesa, para o ano há Euro. O Rúben fez uma excelente Liga das Nações, se fizesse um Euro ao mesmo nível, valorizar-se-ia imenso. Se não fizesse, também não seria por aí que desvalorizaria. Mas eu sei, pedir este tipo de raciocínio é demais. Afinal de contas, estamos a falar da direção que vendeu um Golden Boy dias antes do Euro 2016.

4. Fica também a prova da fraude que o “parceiro estratégico” é. Para salvar o nosso maior rival, tem estado muito interventivo. Já para ajudar a colocar as dezenas de excedentários do Benfica, para isso o “parceiro estratégico” não serve, daí o festival de saídas por empréstimo ou a custo zero neste mercado. Mas para vender um dos mais importantes e influentes jogadores do campeonato nos últimos anos, e portanto cobiçado por muitos, para isso o “parceiro estratégico” já serve, claro que sempre com os 10% dele. Ah, e como bónus, tem que vir para o Benfica um jogador agenciado pelo próprio “parceiro estratégico”, jogador esse que tem sido oferecido a tudo e todos, dado que no seu clube anterior já só estorvava.

5. Curioso que os negócios Rúben Dias e Otamendi tenham sido anunciados separadamente. Assim, muito provavelmente a comissão do “parceiro estratégico” é de 6.8M, e não de 5.3M. Além disso, significará isso que Jorge Mendes recebeu comissão de intermediação duas vezes?

6. Otamendi chega ao Benfica por “15M”. Jogadores com muito mais nome que ele têm deixado os seus clubes a custo zero (Vidal, Suárez, James, Bale, Mkhitaryan, Alexis, entre muitos outros), porque lá está, os clubes estão todos em crise e estão a tentar libertar massa salarial. Se não soubéssemos que estes 15M são só para atirar areia para os olhos dos adeptos, para dizer “ah e tal, o Rúben valeu quase 70M”, diríamos que dar 15M por um central de 32 anos era gestão danosa.

7. Aquilo que o Benfica ganha em dinheiro, não recupera em termos de fibra. O Benfica já estava órfão de jogadores com garra dentro de campo, que se contam pelos dedos das mãos. Se, dentro desses, juntarmos aquilo que é sentir verdadeiramente o Benfica, saindo o Rúben, é um marasmo autentico. Nos titulares então, não sobra ninguém. Num Benfica sem identidade, perder o Rúben Dias é um duro golpe.

8. Saindo um jogador com a importância do Rúben Dias, nunca o Benfica poderia atacar a época sem o substituir condignamente. Contando o Benfica no plantel já com Vertonghen de 33 anos e com Jardel de 34, o perfil do substituto do Rúben tinha de ser obrigatoriamente um central jovem. Dado que um central com a qualidade do Rúben não se encontra facilmente por um valor acessível, teria que ser necessariamente um central com potencial para, a curto/médio prazo, ser o patrão que o Rúben é. Mas claro, estamos a falar do benfiquinha das vistas curtas de Vieira. Assim, a solução passa por um jogador do “parceiro estratégico” com 32 anos e que já ultrapassou o seu pico de carreira há algum tempo.

9. Pior que vir um central trintão para uma defesa de trintões, é vir um jogador com o histórico que Otamendi tem no nosso rival. Eu não vou dizer que não compreendo os atos do argentino enquanto jogador do Porto, porque são coisas que por lá incutem aos estrangeiros e que acabam por os moldar. Agora, que haja um pouco de orgulho próprio. Mas já se sabe, no benfiquinha de Vieira, não há amor próprio. Aliás, na realidade, na direção, não há sequer sentimento pelo Benfica..

10. David Luiz, central de 33 anos e com uma história bonita por cá, tem idade é para ir ganhar dinheiro para outro lado. Otamendi, com 32 anos e com uma história no Porto, esse está no ponto para se assumir como titular no eixo da defesa do Benfica.

O Manchester City precisava de duas coisas: precisava de um central com qualidade, e precisava de se livrar de Otamendi. Segundo a imprensa internacional, sobre o central de qualidade, tem recebido negas atrás de negas (falou-se de Giménez, de Koulibaly, entre outros). Sobre Otamendi, o melhorzito que o City teve foi umas propostas a custo zero de clubes como o Porto. Assim, os ingleses meteram Mendes ao barulho, e quando Mendes entra em cena, é muito fácil saber onde é que vai pescar. Pesca-se no Benfica, por um preço de amigo, e sempre com facilidades de negociação.

Em resumo, sobre o negócio Rúben Dias, a única coisa mais ou menos positiva é a componente financeira, e mesmo essa sabe a pouco. De resto, a qualidade do plantel diminui, o sentimento Benfiquista no balneário cai drasticamente, e pelo meio os Benfiquistas são obrigados a engolir um sapo, ao terem que aceitar um antigo jogador do Porto no plantel. OUTubro está aí, é a oportunidade dos sócios demonstrarem se este tipo de coisas os agradam, ou se pelo contrário estão fartos.

Boa sorte ao Rúben, merece tudo.

PS: No final deste mercado, serão mais os jogadores da formação do Seixal no plantel do City (Ederson, Cancelo, Rúben e Bernardo) que no do Benfica (Nuno Tavares, Ferro e Diogo Gonçalves). Outro dado curioso: os 4 jogadores do City, em conjunto, têm neste momento mais épocas feitas no City que no Benfica (5 no Benfica (2-0-3-0) contra 7 (3-1-0-3)). Estes dois dados curiosos demonstram que no Benfica não se forma para ganhar, forma-se para vender o mais rápido possível.

Dez notas sobre a saída de Rúben Dias1. Os números que se falam são bonzitos. 53M de euros por um central que, com…

Publicado por O Benfiquista Crítico em Segunda-feira, 28 de setembro de 2020